Cartas sem destino

.posts recentes

. Há coisas que não têm de ...

. Deitar fora o passado

. Sinais do Destino

. Não há coincidências ...

. Feliz no passado ...

. Escutar a voz do coração....

. Breve resumo

. Simplesmente Amor ...

. Braços amigos

. Dor do próximo ...

.arquivos

. Março 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

Domingo, 28 de Setembro de 2008

Simplesmente Amor ...

Imagem retirada de http://www.laloka.com/grafika/amor.jpg

 

Pilar e Isabella tinham vivido meses extenuantes ... os meses de férias eram sempre terríveis ... nem tinham tempo para estar juntas um dia e conversarem nem espreitarem o seu tesouro secreto ...

Pilar sentia-se cansada, sozinha, triste e amargurada ... por aquela altura sentia-se em baixo ... pegou num velho caderno de apontamentos, sentou-se na secretaria do seu quarto, mas depois resolveu ligar a aparelhagem ... estava somente ela em casa, Isabella estava a trabalhar ... assim sentia-se mais concentrada e no fundo mais acompanhada ... e começou a escrever ... já que não tinha mais ninguém com quem conversar ... não apetecia ligar a ninguém ... apenas ela, a caneta e o papel ...:

 

"Hoje sinto-me só ... queria ter os teus braços junto do meu corpo, sentir o teu abraço forte, o teu odor, ver esses teus olhos meigos e o teu sorriso de criança ... estamos afastados eu sei ... pela vida, pelo trabalho, pela família ... mas nunca pensei que me fizesses tanta falta ... tu dás-me tranquilidade, paz, harmonia ... consegues que eu fique em equílibrio ... quantas vezes dou por mim a pensar em ti ... quantas vezes sinto minha alma sair do meu corpo para te procurar, para encontrar tua alma ... quantas vezes sinto em mim pulsar um coração que não é meu, mas teu ...

Sinto-me nostálgica, sinto que levas-te contigo um pedaço do meu coração, um pouco da minha alma ... uma parte de mim ... julguei que era ilusão, pensei que era entusiasmo ... mas há medida que o tempo passa, a força do sentimento, a vulcão que existe em mim vai reacendendo ... pensei que não fosse possível, mas devolveste a esperança da felicidade, do amor ... não sei se é utopia, se ilusão mas tenho certeza do que sinto ... este sentimento doce, bonito, carinho, afecto, desejo de te dar o melhor que há em mim ...sinto que é simplesmente Amor ... do mais puro, mais genuíno que nunca pensei sentir ... simplesmente amor e neste momento é este elo espiritual que contínua a manter-me viva, a manter-me com forças de continuar a lutar ..."

Parou de escrever ... as lágrimas rolavam pela sua face ... nunca pensara amá-lo, assim ... simplesmente ...

 

publicado por Ennoea às 21:56
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

Braços amigos

Foto retirada de o-voluntariado.html" target=_top>apfp.blogspot.com/2004/12/o-voluntariado.html

 

Isabella e Pilar conheciam muito bem o trabalho de várias instituições que promoviam voluntariado no local onde trabalhavam. Por vezes, era dedicação dos seus voluntários que tornavam os seus serviços mais humanos, alegres e conferiam um sorriso quando as coisas corriam menos bem, quando a dor era maior que a alegria, quando a morte teimava em entrar pela porta ou pela janela do serviço. Sabiam que a vida de muitos estava por um fio, que se vivia um dia de cada vez como se fosse o último, sem passado nem futuro, apenas o presente ...

Pilar nunca mais esquecerá uma senhora já de idade que estava saturada de estar em casa sem nada fazer e decidiu ainda estar a tempo de ajudar o próximo. Todos os dias às sete da manhã, lá estava ela a distribuir leite com café, chá e bolachas aos que aguardavam por uma consulta, a dar um sorriso, um carinho, uma palavra amiga a quem necessitava. A "avozinha" como a tratava carinhosamente trazia-lhe sempre  uns bolinhos de canela que só ela sabia fazer. Quando uma manhã não apareceu soube que algo tinha acontecido menos bom ... naquela noite um Anjo tinha-a levado para junto dele.

Esses braços amigos que iam passando pelo serviço, braços jovens, braços mais experientes ou braços que tinham passado pela doença e dado a volta à vida, faziam do seu serviço uma casa de família, um pequeno lar branco em que a amizade, o carinho e a ternura tornavam a dor mais doce ...

Precisamos sempre de um braço amigo, na alegria e na dor, não é verdade?

 

publicado por Ennoea às 17:34
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
21
22
23
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds